Deixe um comentário

OS INGREDIENTES USADOS NA REALIZAÇÃO DO RITUAL SATÂNICO

image A. DESEJO

O primeiro ingrediente na realização do ritual é o desejo, também conhecido como motivação, tentação ou persuasão emocional. Se você não deseja verdadeiramente qualquer resultado final, não se aventure na realização de um trabalho.

Não há uma determinada coisa como “experiência de trabalho”, e o único meio pelo qual um magista pode realizar “mágicas” como mover objetos inanimados, seria ter uma necessidade emocional muito forte para assim fazê-lo. É verdade que se o magista deseja ganhar poder diretamente impressionando os outros com seus feitos mágicos, ele precisa produzir prova tangível de sua habilidade. O conceito satânico de magia, entretanto, falha em obter gratificação na verificação da perícia mágica.

O satanista realiza o seu ritual para assegurar o resultado dos seus desejos, e não deveria gastar seu tempo nem a energia do desejo em alguma coisa tão inconclusiva como rolar um lápis fora da mesa etc., através da aplicação da magia. A quantidade de energia necessitaria para levitar uma xícara de chá (genuinamente) poderia ser a mesma suficiente para colocar uma ideia em um grupo de lideres sobre a Terra, motivando-os a concordar com o seu desejo. O satanista sabe que se você tenha sucesso na levitação do copo de chá da mesa, deve ser assumido que um ardil foi usado de qualquer modo. Deste modo, se o satanista deseja flutuar objetos no ar, ele usa cordas, espelhos ou outros artifícios, e salva sua energia pela auto-importância. Todos os dados médiuns e místicos “divinos” praticam pura e aplicada mágica teatral, com seus olhos vendados e envelopes lacrados, e qualquer mágico teatral competente, “carnival worker”, ou diversão de loja maçônica podem duplicar o mesmo efeito, apesar de perder, talvez, a pedra fundamental da religiosidade espiritual.

Uma criança pequena aprende que se ela deseja algo suficientemente forte, vira verdade. Isto é importante. Querer significa desejo, enquanto reza é acompanhada de apreensão. A escritura tem transformado desejo em luxúria, avareza e ganância. Seja como uma criança, e não reprima o desejo, a fim de que você não perca contato com o primeiro ingrediente na realização da magia. Caia em tentação, e se agarre naquilo que o tenta sempre que precisar.

B. TEMPO

Em cada situação bem sucedida, um dos ingredientes mais importantes é o tempo apropriado. Na realização de um ritual mágico, o tempo pode significar sucesso ou fracasso na mesma maior extensão. O melhor momento para lançar sua fascinação ou charme, maldição ou praga, é quando seu alvo está no seu estado mais receptivo. A receptividade para o desejo do magista é assegurada quando o recipiente está tão passível quanto possível. Não importa quanta força de vontade ele tenha, ele está naturalmente passivo enquanto adormecido; portanto, o melhor momento para lançar sua energia mágica em direção ao seu alvo é quando ele ou ela dorme.

Há certos períodos do ciclo do sono que são melhores do que outros para a suscetibilidade de influências externas. Quando uma pessoa está normalmente fatigada de seus afazeres diários, ela terá sono de pedra até que a sua mente e corpo estejam descansados. O período de sono profundo usualmente se configura entre quatro e seis horas, depois disto o período de sonho ocorre por duas ou três horas ou até acordar. É durante o período de sonho que a mente está mais receptiva à influência externa ou inconsciente.

Vamos assumir que o magista deseja lançar um fascínio numa pessoa que se recolhe normalmente às 23h e acorda as 7h. O momento mais adequado para realizar o ritual deveria ser por volta das 5h, ou duas horas antes do recipiente acordar.

É para ser enfatizado que o magista precisa estar no seu ápice de eficiência, pois ele representa a força de emissão quando realiza o ritual. Tradicionalmente falando, bruxas e feiticeiros são pessoas da noite, é assim entendível. Que melhor horário para realizá-lo, para lançar pensamentos em direção de adormecidos sem suspeita! Se as pessoas fossem cônscias dos pensamentos injetados em suas mentes enquanto dormem! O estado de sonho é o berço de muito do futuro. Grandes pensamentos são claros ao acordar e a mente os retém, de forma consciente, pode produzir muito. Mas quem é guiado por pensamentos desconhecidos é levado a situações que mais tarde serão interpretadas como “destino”, “vontade de Deus” ou acidente.

Há outros momentos no dia de cada pessoa que as torna receptivas ao desejo do feiticeiro. Aqueles momentos de devaneio diário ou de estado enfadonho, ou quando o momento se torna cansativo, são períodos férteis de sugestionabilidade.

Se uma mulher é o alvo do seu fascínio, não se esqueça da importância do ciclo menstrual. Se o homem não estivesse tão insensibilizado pelo seu desenvolvimento evolutivo sufocante, ele saberia, como os animais sabem, quando uma fêmea estivesse mais inclinada sexualmente. O nariz do homem, ainda que não manchado por ópios baratos, não está normalmente equipado para determinar cada indicação de cheiro erótico. Mesmo se ele fosse tão prendado com estes poderes olfativos, o objeto de sua busca mais provavelmente lançar-lo-ia fora do seu cheiro, através do uso de doses maciças de perfume para cobrir e reprimir o eflúvio “ofensivo”, ou eliminar a detecção completamente, pela ação adstringente de desodorantes poderosos.

Apesar destes fatores desencorajadores, o homem é ainda motivado a desejar ou ser desejado, conforme possa ser o caso, pelo seu reconhecimento inconsciente da química do corpo da mulher. Isto é dotado na forma do sentido da sugestão, que é olfativo na sua natureza. Para retroceder, no que poderia equivaler a um retorno aos animais, pareceria ser o melhor exercício para a aplicação consciente destes poderes, mas para o melindroso teria o sabor de licantropia. Há, entretanto, um caminho mais fácil, e que é simplificadamente acertar as datas e frequências do ciclo menstrual da mulher que é o seu alvo. É imediatamente antes e depois desse período que a media das mulheres está mais acessível sexualmente. Deste modo, o magista encontrará o período de sonho durante estes momentos mais efetíveis para instilar pensamentos ou motivações de natureza sexual.

Bruxas e feiticeiras têm muito mais quantidade de tempo para lançar seu fascínio em direção ao homem de sua escolha. Pela razão de que o homem é mais consistente em seus avanços sexuais do que a mulher (embora haja muita mulher com igual ou ainda maior luxúria), o momento diário não e tão importante.
Qualquer homem que não esteja exaurido de sua energia sexual é um pato sentado para a feiticeira hábil. A época do ano que segue o equinócio de inverno é a mais fértil de vigor sexual no homem, e ele se comportaram de acordo; mas a feiticeira, por outro lado, precisa trabalhar sua magia mais forte, para evitar que seus olhos se percam.

Poderia o medroso perguntar “Não há defesa contra esta bruxaria?” Isto pode ser respondido assim – “Sim, há proteção. Você nunca deve dormir, ter devaneios de dia, nunca estar sem um pensamento vital, e nunca ter uma mente aberta”. Então você estará protegido das forças da magia.

C. IMAGEM

O adolescente que tem grande cuidado em esculpir, numa árvore, um coração contendo as iniciais dele e do seu amor; o menino que se senta desenhando sua concepção de um reluzente automóvel; a garota magra que balança uma boneca arranhada e rota em seus braços e pensa nela como seu pequeno bebê – estas bruxas e feiticeiros capazes, estes mágicos naturais -, estão empregando o ingrediente mágico conhecido como imagem, e o sucesso de qualquer ritual depende disto.

Crianças, não sabendo nem se preocupando se possuem habilidades artísticas ou outros talentos criativos, perseguem suas metas através do uso da imagem de sua própria criação, ao passo que os adultos “civilizados” são muito mais críticos de seus próprios esforços criativos. Isto demonstra porque um magista “primitivo” pode usar um boneco de barro ou um desenho bruto para ter uma vantagem de sucesso em sua cerimônia mágica. Para ele, a imagem é tão correta quanto necessita ser.

Qualquer coisa que sirva para intensificar as emoções durante o ritual contribuirá para o seu sucesso. Qualquer desenho, pintura, escultura, escrito, fotografia, artigo de roupa, cheiro, som, musica, gráfico ou situação inventada que possa ser incorporada na cerimônia servirá bem ao magista.

Imagem é uma constante lembrança, um artificio de salvaguarda do intelecto, uma obra substituta da coisa real. A imagem pode ser manipulada, montada, modificada e criada, de acordo com o desejo do magista e a simples reprodução que é criada pela imagem se torna a fórmula que amolda a realidade.

Se você deseja desfrutar prazeres sexuais com alguém de sua escolha, você precisa criar a situação do seu desejo no papel, quadro, pela palavra escrita etc., da forma mais exagerada possível, como uma parte integrante da cerimônia.

Se você tem desejos materiais, você precisa fixar atentamente a imagem deles – envolvendo-se com cheiros e sons que o conduzam a eles – criar um magnetismo muito forte que atraía a situação ou coisa que você deseja!

Para assegurar a destruição de um inimigo, você deve destruí-lo por procuração! Eles devem levar tiros, serem apunhalados, adoentados, queimados, esmagados, afogados ou despedaçados da maneira o mais vívida possível! É fácil notar porque as religiões do caminho da mão direita censuram a criação de “imagens esculpidas”. A imagem usada pelo feiticeiro é um mecanismo de trabalho para a realidade material, que é totalmente oposta à espiritualidade esotérica.

Um cavalheiro grego de persuasão mágica uma vez procurava uma mulher que satisfizesse seu desejo total, e estava tão obcecado com o objeto dos seus sonhos, que se encarregou de construir uma escultura maravilhosa. Com seu trabalho terminado, ele se sentiu tão convincentemente e irrevocavelmente em amor com a mulher que tinha criado que ela não estava na pedra tão distante, mas na carne mortal, viva e quente; e então o mago, Pigmalião, recebeu o maior dos benefícios mágicos, e a linda Galatea era sua.

D. DIREÇÃO

Um dos ingredientes mais negligenciados no trabalho mágico é a acumulação e subsequente direcionamento da energia rumo a um resultado efetivo.

De modo geral, muitos aspirantes à bruxa ou feiticeiro realizarão um ritual, e então se encarregarão com tremenda ansiedade de esperar o primeiro sinal de um trabalho bem sucedido. Para todos os intentos e propósitos, eles deveriam se ajoelhar e rezar, pois sua real ansiedade em esperar pelos resultados desejados apenas nulifica qualquer chance real de sucesso. Alem disso, com esta atitude, é duvidoso que a suficiente concentração de energia para uma realização segura possa ser armazenada em primeiro lugar.

Se prender em cima ou lamentar-se constantemente sobre a situação sobre a qual o seu ritual deveria estar fundamentado somente garante o enfraquecimento do que deveria ser ritualisticamente uma força dirigida, por difundí-la deficiente e diluída. Uma vez que o desejo tenha sido estabelecido suficientemente forte para empregar as forças da magia, cada tentativa deveria ser feita simbolicamente para dar abertura para estes desejos – NA REALIZAÇÃO DO RITUAL – NÃO antes ou depois!

O propósito do ritual é libertar o magista dos seus pensamentos que poderiam consumí-lo, pois estaria ele preso neles constantemente. Contemplação, devaneio e constantes maquinações queimam a energia emocional que estaria reunida junto à uma forca usável dinamicamente; nem se mencione o fato que a produtividade normal é exaurida por uma determinada ansiedade consumidora.

A bruxa que lança seu charme entre longas esperas pelo telefone, antecipando a chamada do seu desejoso amor; o feiticeiro necessitado que invoca a benção de Satan, e então espera com alfinete e dedal controlar o sucesso; o homem, entristecido pelas injustiças praticadas contra ele, que, tendo amaldiçoado o seu inimigo, segue penoso seu caminho, de rosto distante, testa franzida – são todos exemplos comuns de energia emocional mal direcionada.

O pequeno prodígio que o mago branco receia em retribuição depois de lançar uma praga demoníaca! Retribuição, para o remetente baseado na culpa, estaria assegurada, pelos seus estados de consciência muito afetados!

E. O FATOR DE EQUILÍBRIO

O fator de equilíbrio é um ingrediente empregado na prática do ritual mágico que se aplica no lançamento das cerimônias de luxúria e compaixão mais do que no lançamento de uma maldição. Este ingrediente é pequeno, mas extremamente importante.

Um completo conhecimento e consciência desse fator é uma habilidade que poucas bruxas e feiticeiros alcançaram. Isto é simplificadamente conhecer o tipo adequado de indivíduo e situação para trabalhar sua magia mais facilmente e com melhores resultados. Conhecer as próprias limitações é uma singular qualidade de introspeção; poderia parecer, que a pessoa é capaz de realizar o impossível; por isso, sob muitas condições, isto pode fazer a diferença entre o sucesso e o fracasso.

Se, na tentativa de alcançar a sua meta através da Alta ou Baixa Magia, você se encontra falhando constantemente, pense nestas coisas: Tem você sido vítima de um direcionamento errado, de um ego inflado que o tenha induzido a esperar por algo ou alguém quando as chances são virtualmente inexistentes? É você alguém sem talento, incapaz de distinguir caminhos místicos que está tentando, através da magia, receber grande aclamação por sua voz desafinada? É você uma bruxa simples, sem glamour, com enormes pés, nariz e ego, combinando com um avançado caso de acne, que está lançando fascínio de amor para agarrar um lindo e jovem astro de cinema? É você um vagabundo gordo, cheio de protuberâncias, de fala indecente, dente quebrado, que está desejoso de uma deliciosa e jovem stripper? Se é assim, você deveria aprender melhor a usar o fator de equilíbrio, ou do contrário esperar falhar constantemente!

Ser capaz de se ajustar à própria capacidade é um grande talento, e muitas pessoas falham em compreender que se elas são incapazes de alcançar o máximo, “meio pão pode ser melhor do que nenhum”. O perdedor crônico é sempre o homem que, não tendo nada, se incapaz de fazer um milhão de dólares, rejeitará qualquer chance de fazer cinquenta mil com um desprezo descontente.

Uma das maiores armas mágicas é o conhecer a si mesmo; seus talentos, habilidades, atrações e defeitos físicos etc. e quando, onde e com quem utilizá-los! O homem com nada a oferecer, que se aproxima do homem que é bem sucedido com o grandioso conselho e promessa de grande prosperidade, tem a vivacidade da pulga trepando na perna do elefante com a intenção de rapto!

A aspirante à bruxa que se ilude em pensar que um trabalho mágico suficientemente poderoso sempre terá sucesso, apesar do desequilíbrio mágico, está esquecendo uma regra essencial: MAGIA É COMO A PRÓPRIA NATUREZA E SUCESSO EM MAGIA REQUER O TRABALHO EM HARMONIA COM A NATUREZA, E NÃO CONTRA ELA.

A Bíblia Satânica – Anton Szandor LaVey – Traduzido por Morbitvs Vividvs.pdf

Anúncios

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: