Deixe um comentário

CHAMADO DO PLANO INFERIOR

Esse ritual consiste em trazer ao nosso plano um pouco de um dos planos inferiores.

Para melhor poder entender esse ritual é necessária uma breve explicação.

O nosso universo é dividido em 54 planos, sendo metade deles “pra baixo” e metade “pra cima”, nós nos encontramos entre eles, ou seja, aqui nada mais é que uma espécie de sala de espera espiritual, onde fazemos o que achamos necessário para subir ou descer nesses planos.

O ritual que será apresentado pertence à magia planar, que busca pesquisar e explorar esses planos. Nesse mais exatamente faremos o chamado de um plano, ou seja, vamos transferir um pouco de tal plano para o nosso plano atual, trazendo com isso a atmosfera de tal plano e as entidades que se encontram nele (mais exatamente na parte que foi chamada). É um ritual não muito simples, e merece um pouco mais de cuidados para ser realizado.

O ritual se divide em 6 partes, todas elas necessárias e indispensáveis, elas são:
1) Preparação do ambiente.
2) Chamado do plano inferior.
3)Exploração do plano
inferior.
4)Destruição de plano inferior.
5)Limpeza do
ambiente.
6)Limpeza espiritual.

Lógico que antes de apresentar o ritual vou dar uma prévia para que saibam no que consiste o mesmo e nos riscos que este pode causar.

Em sumo o ritual transporta um pouco do que podemos chamar de inferno para esse plano, uma área de uns 10 metros de raio, e traz consigo as entidades existentes lá e toda a energia contida.

Para a realização desse ritual é necessário o desprendimento total do corpo, logo projeção é fundamental, e total controle sobre a mesma, a hora em que se volta ao corpo tem que ser respeitada, senão o fim pode ser drástico e até mortal. Expliquemos o por que: Quando você chama outro plano para dentro do círculo mágico, você transforma o círculo num mini-plano espiritual, algo como um mini-inferno, e sabemos bem que a nossa massa corpórea só tem utilidade nesse plano, e não pode ser levada para nenhum outro plano, pois ela simplesmente não resiste e “arrebenta”. Logo, nesse mini-plano ela vai se comportar como se estivesse em outro plano logo arrebentará causando sérios problemas ao magista.

Outro provável problema que pode ocorrer são rupturas no circulo mágico, fazendo com que a energia negativa de tal plano “vaze” para fora do círculo, tornando assim a área “amaldiçoada” e estéril.

Algumas entidades do mini-plano podem já ter visitado esse plano e podem não querer cooperar na hora de serem expulsas, logo, o mínimo de proteção e experiência com tais criaturas é necessário, senão os mais drásticos ataques serão desferidos contra o magista.

E magistas depressivos ou com sérios problemas de transferência de planos podem não conseguir voltar ao plano nativo. Sendo assim, quando o plano for banido parte de sua consciência vai com ele, causando sequelas irreparáveis ao magista.

Se depois de ler tudo acima ainda se sente seguro para realizar tal ritual, então continue a ler.

Etapa 1 – Preparação do ambiente
Normalmente esse ritual é realizado por mais de um magista em um templo preparado para tal. Aqui apresentarei a versão para um magista e sem existência de templo.

Logo, será necessário bastante espaço e um lugar isolado.

Pra começar encontre um local aberto de pelo menos 10 m², limpe o local por meios físicos, (varrer e manter o chão impecável) e depois faça uma limpeza espiritual para diminuir ou anular a existência de energias que não sejam do próprio ambiente ou sua.

É aconselhável a utilização de incenso, água salgada, e cristais, para que seja eficaz a limpeza.

Depois do ambiente limpo deixe-o por pelo menos 24hrs sem que seja visto por olhos humanos. Animais e insetos podem trafegar pela área livremente, porém nem mesmo o magista deve voltar ao local por pelo menos 24 horas. Após passado o tempo mínimo, à meia noite exata o magista deve entrar nu no local preparado carregando consigo apenas uma adaga ou espada, uma baqueta e um cálice virgem.

Etapa 2 – Chamado do plano inferior
Trace o círculo
mentalmente, ele deve ter 5m de raio, utilize a baqueta para canalizar a energia necessária para traçar o círculo.

Com o círculo traçado ponha a baqueta no chão e ajoelhe-se.

Com a ponta da espada faça um pequeno corte no braço de modo que pingue pelo menos 3 gotas de sangue no cálice, com a ponta do dedo indicador da mão esquerda ponha um pouco de sangue em seu 3º olho (entre os olhos) e depois um pouco na lâmina da espada, isso fará com que você fique ligado à espada, ela será a sua única proteção
caso algo realmente errado aconteça, e o sangue na terceira visão fará com que você não volte ao seu corpo depois da projeção.

Feito isso, tendo os preparativos e o círculo fechado devidamente, comece a vibrar um mantra OM, crie uma área de prana do tamanho do círculo, vibre bastante o mantra e ponha bastante vontade nessa parte do ritual, sinta a energia no círculo e perceba como ela não sai, está devidamente lacrada.

Feito isso, se prepare para uma projeção, utilize a forma usual que praticas, e perceba que está preso dentro do círculo. Mantenha-se imóvel e ainda mantenha o mantra. Para os novatos nesse instante será necessário o desprendimento de bastante força de vontade, para os experientes nem tanto.

Vibre: ITAO ITAO ESE ESE

Feito isso será o chamado do plano inferior, onde o plano a ser chamado será correspondente ao nível de prana utilizado pelo magista no círculo, como de acordo com o nível do mesmo. Magistas primários chegarão até o umbral, magistas mais experientes chegam até o 5º plano inferior.

Nesse momento o ocultista sentirá o plano se alterando e se tornando um plano inferior. Ele poderá sentir tal alteração de duas formas: ou será suave como se a realidade estivesse aos poucos se alterando, ou sentirá um baque tremendo como se estivesse num elevador que estava descendo com extrema velocidade.

Nessa segunda forma é extremamente perigoso que o magista volte ao seu corpo, e isso seria o fim do mesmo, pois seu corpo está ligado ao plano chamado, e como dito anteriormente não está preparado para tal, logo começaria a se desmembrar, logo seria o fim do ocultista. Caso ele não volte ao corpo e se mantenha projetado no Mini-inferno agora entra a 3ª etapa.

Etapa 3 – Exploração do plano inferior
Agora que o magista se encontra dentro de outro plano as coisas não irão se comportar de forma comum, nem como em usuais projeções astrais, logo é aconselhável que, na primeira vez que executar o ritual, o magista fique parado apenas tentando entender o que acontece ao redor e tentando se acustumar com a atmosfera, e numa futura tentativa comece REALMENTE a explorar o mini-plano.

A exploração consiste em conhecer o plano que foi chamado para que o mesmo possa ser nomeado e definido, e para depois o magista poder tirar proveito do mesmo.

Dentro do mini-plano existem entidades conscientes e algumas movidas apenas por instinto. As movidas por instinto, obviamente, irão tentar atacar o magista, que por sua vez deve conhecer métodos de proteção astral para se defender das mesmas. Em último caso o magista poderá ameaçar as criaturas com a adaga mágica, e elas com certeza cessarão, mas saibam que a utilização frequente da adaga atrai criaturas mais poderosas e aproxima o magista do seu corpo, e assim como foi dito antes, não seria nada agradável que o magista voltasse ao seu corpo agora, logo é aconselhável o estudo de proteção astral.

Após o empecilho de pequenos demônios terem sido superados, está na hora de ir atrás do que interessa: Entidades conscientes que, por sua vez, farão de
tudo para não serem encontradas pelo magista, que, por sua vez, deve utilizar de todos os meios que conseguir para manter a consciência, senão acabará por se perder no mini-plano e não conseguirá voltar, será como um sonho não-lúcido. Mas como foi dito no começo, façam por vossa conta e risco, magistas experientes também correm o risco de se perderem e não voltar, logo, todo cuidado é pouco.

Encontrando as entidades conscientes, cabe a cada magista negociar com elas, seja pedidos para essa vida ou para outra, coisas mundanas ou não, mas tentem não ser muito hostis, a não ser que tenham capacidade para isso, algumas entidades podem ser bem mais poderosas do que realmente parecem, e TODAS são mais espertas do que aparentam.

Etapa 4 – Destruição do plano inferior
Após encontradas as entidades, e as negociações ou absorções feitas (vampirismo), está na hora de voltar ao seu plano de origem e dispensar o plano chamado, perceba que no mini-plano a resistência do magista é extremamente afetada e em pouquíssimo tempo o mesmo se encontrará exausto e sem energia. Logo quando o perceber que está com um nível baixo de energia, deve-se fazer essa parte do ritual, senão ficará preso no mini-plano eternamente, pois as energias do magista não se renovam dentro do mesmo.

Bem, quando o nível de energia estiver baixo o magista deve voltar ao local onde surgiu no plano, lá ele encontrará o cálice com o sangue, ele deve beber o mesmo, e concentrar-se.

Vibre novamente: ITAO ITAO ESE ESE

Aos poucos o círculo começará a retornar a mente do magista, e o mesmo se preencherá de luz, o plano inferior começará a se dissolver, aos poucos o magista sentirá apenas o resto do prana que sobrou no círculo, e então perceberá que se encontra novamente no nosso plano.

Ainda dentro do círculo fechado o magista terá que fazer os rituais de limpeza e banimento, assim entramos na etapa 5.

Etapa 5 – Limpeza do ambiente
Quando o magista
terminar a destruição do plano inferior seu corpo etéreo não vai estar em total sintonia com o copo físico, logo o mesmo vai se encontrar meio tonto e como se tivesse mudado de tamanho, porém isso é normal.

O magista deve com os dois braços apagar o círculo assim como se apaga uma imagem mental com as mãos e no final usar a baqueta para canalizar a energia aos céus, ela está corrompida e deve ser sacrificada.

Feito isso, faça o exorcismo do fogo, ou algum exorcismo que tenha eficácia comprovada pelo magista, limpe todo o ambiente e a si mesmo, limpe os objetos contra todo tipo de energia, e depois os enterre o mais próximo possível do local, se possível no local do ritual.

Etapa 6 – Limpeza espiritual
Após o ritual o magista deve pelo menos fazer um círculo de proteção todas as noites antes de dormir, um ritual de banimento ao acordar e outro antes de dormir, se privar de sexo bebida, cigarro e carne vermelha por pelo menos 3 meses. Caso contrário estará propício a ataques de criaturas que possam ter saído do circulo. Com isso ele está pronto para fazer o ritual novamente ou para levar sua vida normalmente.

Considerações
Bem esse ritual pode parecer simples, mas não é. Os riscos são enormes e a chance de um novato ficar sem sequelas é praticamente nula e as chances de conseguir realizar o ritual são mínimas.

Para os experientes que pensam que é tão simples quanto viajar a outro plano, não é.

Nesse caso vocês estão mantendo esse plano aqui e isso gasta uma quantidade de energia enorme.

Em grupo, um magista mantém o mini-plano enquanto os outros o exploram, e com a criação de um mini plano é mais fácil encontrar determinadas entidades que não são encontradas em projeções comuns.

De acordo com o nível do magista pode-se alcançar planos inferiores extremamente baixos, e logo, quase inacessíveis. Dessa forma perde-se menos tempo, pois alguns planos parecem apenas desertos sem fim, onde se perder se tornaria muito fácil.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: