Deixe um comentário

VODU

Entre as manifestações religiosas da tradição afro — macumba, candomblé e outros –, o vodu do Haiti transcendeu os círculos em que se desenvolve, uma vez que é explorado como recurso turístico naquele país antilhano.
O vodu é um culto religioso popular de caráter sincrético. Incorpora aspectos do ritual católico-romano, datados da colonização francesa e originados de uma interpretação anômala dos ensinamentos derivados de um batismo muitas vezes imposto, assim como elementos religiosos e mágicos africanos trazidos pelos escravos das etnias ioruba, fon e outras.
O termo deriva de vodun, “deus” ou “espírito” na língua dos fons. O culto tornou-se espécie de religião oficial da comunidade camponesa do Haiti.
Embora os praticantes do vodu professem a crença num distante Deus supremo, as divindades efetivas são um grande número de espíritos denominados loas, que podem ser aparentados a santos católicos, ancestrais deificados ou deuses africanos. Muitos adeptos urbanos acreditam que os loas podem ser benévolos, os loas Rada, os quais se ligam aos indivíduos ou famílias como anjos da guarda, guias e protetores, ou mesmo malévolos, os loas Petro. Essas divindades comunicam-se com os fiéis por meio de sonhos ou tomam posse de seus corpos durante cerimônias rituais. A presença do espírito é revelada por um estado de transe numa dança estilizada ou por certas características especiais. Cada grupo de praticantes tem seu local para realizar as cerimônias, que envolvem cantos, toque de tambores, danças, preces, preparo de alimentos e o sacrifício ritual de animais. O santuário ou houmfo – peristilo – é presidido por um hougan, celebrante masculino, ou mambo, sacerdotisa, que age como conselheiro, curandeiro e protetor.
Com o tempo, o vodu perdeu seus traços ancestrais e adotou caráter nacional, com a criação de formas típicas haitianas. Durante décadas a Igreja Católica condenou o vodu no Haiti, mas como essa crença se tornou a religião principal da maioria da população, no final do século XX os católicos resignaram-se à convivência com o culto.
Fonte: Encyclopaedia Britannica do Brasil Publicações Ltda.

Autor do texto: Prof. João Flávio Martinez

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: