Deixe um comentário

Desbatização

Na diversidade de livre-pensadores ateístas, muitos nasceram em famílias cristãs e chegaram ao ateísmo depois de passar uma infância celebrando os rituais da igreja a que os nossos pais ou tutores pertencem. O primeiro ritual da igreja cristã, da qual as diferentes «variantes» partilham, é o batismo. O batismo é um ato simbólico, que marca a entrada da criança para o reino de deus, passando-lhe água na cabeça para simbolizar a «lavagem» do pecado original. Mas esse ritual de iniciação na comunidade cristã não se limita ao simbolismo. Atualmente, a Igreja Católica Apostólica Romana, auto-declarada dominante em Portugal (e no mundo ocidental em geral), apresenta o registo de batismos como a representação fiel do número de seguidores da sua igreja. Sabemos (e a ICAR também sabe, mas ignora) que muitos de nós foram batizados em criança mas que hoje não comungam da fé em nenhuma entidade mitológica da igreja, que rejeitam os dogmas dessa comunidade, ignoram os seus decretos, e até repudiam a história e os atos dessa igreja como instituição. Se o ritual se limitasse apenas ao simbolismo, bastaria-nos a nós que abandonamos e renegamos a religião onde crescemos, considerar aquele ato como uma mera lavagem de cabeça. Mas não é assim. No registo de batismo da igreja é escrito o nosso nome para nos vincular a essa religião, ainda sem nos perguntar se concordamos ou queremos entrar para o seio dessa comunidade. A ICAR tem, nos últimos anos, apresentado os números de pessoas batizadas ao governo para obter privilégios justificados pela sua superioridade numérica da população crente e seguidora da sua religião. Porque hoje temos voz, opinião e vontade, cabe-nos a iniciativa de pedir a nossa apostata, a revogação da nossa ligação à religião a que somos filiados, para que isso se traduza numa maior honestidade para nós mesmos e para a igreja a que estamos vinculados. Como fazer? A parte mais díficil é descobrir a data e a paróquia de batismo. Essas informações estão inscritas no certificado de batismo (que você já deve ter perdido), no livrete de casamento dos seus pais, ou no seu próprio livrete de casamento (se se tiver casado pela igreja). O pedido deve ser endereçado para o atual padre da paróquia do seu batismo e um duplicado deve ser enviado «com conhecimento» para a diocese correspondente. Se a resposta tardar, um novo pedido com recomendação de resposta pode ser necessário. Apesar da lei de Acesso e Correção de Dados Pessoais, a igreja não removerá por completo o seu nome do registo de batismo, mas antes adicionará uma nota na margem mencionando «declarado apóstota». Exemplo de uma carta de pedido de desbatização:

Senhor Padre/Reverendo, tendo sido batizado na igreja da freguesia de [__] no dia [__] de [__] do ano [__] sob o nome [__], eu pretendo ter o meu nome removido do vosso registo de batismo com a seguinte menção: «declarado apóstota por carta escrita datada de [__]». De fato, as minhas convicções religiosas e filosóficas não correspondem aquelas das pessoas que estimaram em ter-me batizado. Assim, os seus escrúpulos da verdade, e os meus, serão aliviados, e os vossos registos ficarão isentos de qualquer ambiguidade. Aguardando uma confirmação escrita, Cidade de [__], aos [__] de [__] do ano de [__] Assinatura:

Fonte: http://lordnecromantus.blogs.sapo.pt/arquivo/2004_03.html#093062

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: